sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Nada sei

Tem gente que não sabe ficar sozinho. Conhece e já começa a namorar. Tem gente que foge de namoro. Gosta de ser livre. Tem gente que não gosta de repetir parceiro. Não quer se envolver, nem se apegar. Medo de se apaixonar. Tem gente que a gente acha que ama, que amou. Tem gente que acha que sabe o que é amor.

Taí. Eu não sei o que é amor. Tenho uma vaga ideia do que seja. Mas não sei se sei. Penso que trata-se de algo que a gente não consegue escolher se sente ou não. Apenas sente. E que vai além de trocas, de reciprocidade. Sobrevive por gerações. Mas outro dia um amigo me disse que o amor é como uma planta, que nasce, cresce e, se não é regada, pode morrer. Não sei. Não sei se concordo.

Tem gente que diz que ama, mas vive brigando com o outro. Isso é amor? Tem gente que diz que ama, mas quer prender, não deixa a outra pessoa livre. Isso é amor? Tem gente que ama, mas não tem coragem de falar, guarda para si próprio por medo de sofrer. Isso é amar?

Outro dia ouvi que o amor mais forte é aquele impossível. Ele nunca acaba, porque nunca começa. Parece o sentimento mais puro do mundo para quem o sente, mas é ilusório. Ele é o que a gente sonha. E a gente sonha muito. Sonha errado. E se engana.

Mas será que o amor não pode ter várias definições? Não pode estar presente de várias formas? Costumo citar a frase de Nelson Rodrigues: ‘Todo amor é eterno. Se não é eterno, não era amor’. Mas não pode ser eterno enquanto dura? Não sei. ‘Só sei que nada sei’.

9 comentários:

Daiane Brito disse...

"A regra de ouro é: não existem regras"... Acho esta frase perfeita! Eu acredito que a vida é assim.

Não se iluda com o senso comum, com a maioria... Isso não existe!

Cada pessoa é única, então, cada pessoa sente de um jeito.

O amor é sempre lindo, mas a durabilidade, intensidade e potência é de quem sente.

Bjs

Anônimo disse...

É ele eterno para Nelson perto de uma vida que de eterna não tem nada.
Seria o amor mais, muito mais que a vida?

Andréia Félix disse...

Desconfio que sim, anônimo... que trata-se de algo que nunca deixa de existir, independente de estarmos com a outra pessoa ou não... ele está sempre ali...

Anônimo disse...

Pelo que diz um amor não impede o outro.

De nada tem o exclusivo no amor?
Já amei em outras vidas, mas sempre a um só.

Ligando amor a um alguém, prendo ele no meu amor, e não consumindo acabo por sofrer, logo, sofro por amor.

O amor ta sempre ali, e o que impede que o sofrimento não esteja?

Kate disse...

O amor não deixa de existir, ele só abandona a ânsia e o imediatismo para se tornar calmo.
Ao mesmo tempo em que se transforma, ele ganha força e por vezes, com o passar dos anos, muitas acreditam que de tão brando ele se evapora e não creio que isso seja possível.
Amor é sempre amor. Ele se esconde, a gente nega que ele ainda existe, busca alternativas, se sente idiota, mas você percebe que ele ainda está ali.
O amor deixa marcas invisíveis e nos move. Ele nos faz querer ser melhor.
É o motivo pelo qual valorizamos nossas amizades, por casais serem companheiros ou amantes vorazes e a razão pela qual continuamos buscando o inatingível.
E para concluir, apesar de ser tão contraditório, ele me faz acreditar que posso querer que alguém seja 'minha casa'.

Andréia Félix disse...

'Ligando amor a um alguém, prendo ele no meu amor, e não consumindo acabo por sofrer, logo, sofro por amor.'

Anônimo, de fato a gente sofre quando não consome esse amor, mas amar também não é deixar livre? Não é querer que a outra pessoa seja feliz (independente de estar ou não com a gente)? E quando a gente ama, fica feliz se o outro está feliz, certo?

Não tenho nenhuma certeza sobre o amor, somente algumas impressões e, entre elas, a de que até mesmo o amor tem tempo certo para chegar a sua plenitude.

No momento, questiono se podemos amar mais de uma pessoa numa mesma vida...

Thata Diacronia disse...

"No momento, questiono se podemos amar mais de uma pessoa numa mesma vida..."

Andei pensando isso nestes dias ... nós sempre achamos que a pessoa com a qual estamos é o nosso amor, mas ai acaba, sofremos e depois aparece outra pessoa e tudo se repete.
Por isso acho que a gente só ama uma vez, uma pessoa inesquecível, que nos some, que construa com a gente, que saiba das limitações um do outro e que se respeitem mutuamente.
Se nao for assim nao eh amor, eh paixão ou apenas o medo de ficar sozinho ...
Parece utopia pensar assim, e até deve ser ... mas eh tao lindo pensar assim neh?

Bjoks déia ..saudades

Wood disse...

Acho que você tá certa. Amar a gente ama mesmo sem a pessoa ali. Amor não é algo que a gente esquece...e para ser sincera, eu não quero "esquecer" de coisas lindas que vivi graças à esse amor e nem mesmo esse amor. Acredito que amor tenha esse significado por ser "eterno em nossas vidas". Paixões tem sua importância, é claro. Ilusões também. Mas acredito que é o amor que no fim, acaba nos sustentando, ou mesmo a falta dele. Não seria algo "tão importante" se pudesse ser esquecido.

Não sei se dá para amar duas vezes na vida, até porque até hoje só amei uma pessoa e por muitos anos. Mas eu acredito que, mesmo que eu ame alguém de novo, e até mais do amei essa pessoa com a qual estive, esse antigo sentimento não vai morrer. Pessoas não estão aqui SÓ para passar por nós. Tem gente que passa e fica, e cabe a nós lidar com o fato de que a presença delas pode não ser eterna, mas tudo o que ela deixou pode. E ACREDITO que só quando a gente ama, a gente consegue.

Mas no fim das contas: é o que eu acho. E sinto. Mas por mais que as pessoas sejam diferentes e uma mesma palavra possa se aplicar de várias formas em nossa vida..."amor" ainda pode ser classificado como a coisa mais forte para todos nós. Não importa como a gente sinta isso.

BEIJOS! :D

Ps: eu lembro de você falando bem de Budapeste...haha! E "Orgulho E Preconceito" é bem legal, mas sim, você está com quinhentos livros haha! De qualquer forma...eu tenho aqui, se um dia quiser emprestado ;D *em português mesmo*

Andréia Félix disse...

Pri, assino embaixo de tudo o que você disse! E, pelo visto, concorda com a frase do Nelson Rodrigues. 'Todo amor é eterno'.


Quero muito ler Orgulho E Preconceito sim, mas acho que ele vai ficar para 2013 hehe

Bjo!