segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Só para registrar

Sem querer copiar o cigarette-break, porque não gosto de escrever na primeira pessoa, mas hoje senti vontade de falar um pouco sobre minhas percepções sobre o mundo e as pessoas. Do quanto é fácil cobrar e de quanto é difícil ceder. Do quanto é fácil falar e de quanto é difícil fazer.

Sinceramente, odeio exageros. De qualquer tipo. Eles quase sempre são passageiros. Posso parecer fria, mas quem me conhece sabe que existe uma romântica aqui dentro. Só que não saio por aí dizendo que o mundo é um mar de rosas e nem que amo todo mundo. Até porque não acho que o mundo seja tão perfeito e nem amo todo mundo. Quem ouve de mim uma palavra doce é porque merece, já que não costumo ser simpática com todo mundo. Onde quero chegar? Bem...Hipocrisia, cinismo e arrogância parecem ser características naturais do ser humano. Deve ser isso. Não vejo outra explicação para me deparar todos os dias com pessoas que conseguem ser as três coisas ao mesmo tempo.

Isso chega a um ponto em que um fala mal de alguém e esquece que já fez o mesmo, pede algo para alguém que esnobou e disse que não precisaria de ajuda, divulga ideologias e não sabe cumpri-las. Essas situações parecem comuns? É aí que está o problema. Uns ligam mais, outros menos, mas esses episódios acontecem. E achar comum é como aceitá-los. Ainda estou na fase de inconformismo. Vejo, não gosto, não aceito e respondo à altura: mostrando onde está a ironia e a hipocrisia da situação. Mas essa fase não quer passar e já está comigo por um bom tempo.

Um comentário:

Raphael Rodrigues da Silveira disse...

non adianta, onde quer que a gente vá, sempre estaremos rodeados de pessoas assim... é o nosso karma [mesmo eu non acreditando em karma! xD]